Notícias

Saiba como usar o cartão virtual do auxílio emergencial em mercados, farmácias e postos de gasolina

Já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico

@Fonte: Portal JC Online - Economia - 20/05/2020


O beneficiário do auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal pode usar o dinheiro através do cartão de débito virtual do aplicativo Caixa Tem, sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico. A medida é uma alternativa para desafogar a demanda nas agências da Caixa Econômica Federal, que desde o início da pandemia assistem a um cenário de superlotação de clientes que precisam sacar o dinheiro. Com o cartão virtual, já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos.

Além da Celpe, que passou a permitir o app como forma de pagamento da conta de luz dos pernambucanos, supermercados e gigantes do comércio digital também têm adotado a ferramenta em suas lojas. É o caso das marcas do Grupo BIG - Big, Big Bompreço, Super Bompreço, Maxxi Atacado, Sam’s Club e TodoDia.

O Grupo Carrefour Brasil também possui a solução em mais de 480 unidades, que incluem super e hiperrmercados, farmácias e postos de combustíveis. É possível conferir a lista de todas as lojas e horários de funcionamento no site da empresa.

O Grupo Pão de Açúcar, detentora das redes Extra, Pão de Açúcar e Assaí, habilitou a possibilidade de os clientes usarem o cartão virtual do auxílio em compras e pagamento de boletos. A medida contempla as lojas Assaí Atacadista, Compre Bem, Pão de Açúcar, Minuto Pão de Açúcar, Pão de Açúcar Drogaria, Extra Hipermercados, Extra Supermercados, Mercado Extra, Mini Extra e Drogarias Extra.

No comércio eletrônico, grandes marcas implementaram o recurso. É possível usar o débito digital nos sites Magazine Luiza, Extra.com.br, Lojas Americanas, Submarino e Shoptime.

- Como funciona o cartão:

Para começar a usar, o cartão virtual deve ser habilitado através do aplicativo CAIXA TEM, disponível gratuitamente na Play Store (Android) e App Store (iOS). Acesse o aplicativo com seu CPF e crie uma senha de 6 dígitos. Depois, clique em ‘Cartão de Débito Virtual’ e siga as instruções na tela.

Toda vez que for feita uma compra, o app vai mostrar um código de segurança de três dígitos diferente, que muda a cada uso. Cada cartão tem o limite de 10 transações por dia.

Aos correntistas do banco, a quem a ferramenta também está disponível, o site da ELO ensina a acessar a tecnologia pelo app da Caixa ou Internet Banking.

- Como usar para pagar fatura da Celpe:

Além da fatura recente, os clientes podem realizar o pagamento de contas de meses anteriores, caso estejam em aberto. A inciativa também beneficia clientes baixa renda cadastrados na Tarifa Social que ultrapassem 220 kwh.

O Cartão Virtual da Caixa Econômica Federal é disponibilizado de forma gratuita aos correntistas do banco; ele deve ser emitido por meio do Internet Banking ou pelo aplicativo da Caixa. Para efetuar o pagamento da fatura de energia, o cliente deve acessar o site da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e clicar em "Pagamento com Cartão".

Após isso, é necessário clicar em "Pagamento com Cartão Virtual Caixa Elo" para ser redirecionado para um cadastro com login e senha. O cliente irá encontrar um ambiente de pagamento da Celpe-Flexpag – plataforma utilizada pela Celpe para pagamentos com cartões de crédito e Cartão Virtual Caixa Elo.

Após fazer o login na plataforma, o cliente deve selecionar as faturas em aberto e informar o número do cartão virtual emitido pela Caixa e selecionar a opção "débito" para realizar o pagamento. No final do processo, um comprovante de pagamento será emitido.

Em caso de dúvidas com relação à seleção de faturas e realização de pagamento no site da Celpe, o cliente pode entrar em contato com a Companhia pelos canais digitais da empresa e teleatendimento, número 116. Já quem tiver dúvidas sobre o funcionamento do cartão virtual, pode encontrar mais detalhes no site da Caixa.

Construção quer retomar crescimento em 2020

No terceiro trimestre deste ano, o setor cresceu 4,4% no País

@Fonte: Portal FolhaPE - Economia - 22/12/2019


Após cinco anos registrando saldo negativo, a construção civil dá sinais de que está pronta para sair do vermelho. No terceiro trimestre deste ano, o setor cresceu 4,4% no País, puxado pelos estados das regiões Sul e Sudeste. No acumulado dos três trimestres variou positivamente 0,4%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Pode até parecer pouco, mas o segmento não tinha um saldo positivo desde 2014. Além disso, o Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu pela terceira vez consecutiva. Foram 3,3 pontos em dezembro, alcançando 92,3 pontos (maior patamar desde junho de 2014), de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). De acordo com especialistas consultados pela reportagem, os números mostram uma retomada ainda lenta no ano que vem, mas com a expectativa de que ocorram mais lançamentos e vendas para o setor.

Em Pernambuco, no terceiro trimestre, houve queda de 21,3% nos lançamentos, segundo a CBIC. Para o diretor do Sindicato da Habitação de Pernambuco (Secovi-PE), Elísio Cruz Jr., ainda que alguns indicadores apontem queda, outros mostram crescimento, o que gera perspectiva positiva para o próximo ano. “Anos atrás, a economia estava muito enxuta, com os pés no chão. Agora ela está voltando aos trilhos. No entanto, nem tudo se faz da noite para o dia, mas a retomada da economia deve refletir positivamente no setor de construção civil”, projeta. Ainda de acordo com ele, uma série de fatores vêm impulsionando o setor. “Juros mais baixos, taxa Selic em 4,5% e nova modalidade de financiamento da Caixa pelo IPCA são variáveis que favorecem a recuperação mais rápida do setor”, detalha.

Para o presidente da Ademi-PE, Gildo Vilaça, a construção civil está sendo mais impactada ainda nas regiões Sul e Sudeste, o que acaba puxando os índices favoravelmente para esses locais em primeiro lugar. A tendência agora é que o mercado deve reagir em Pernambuco. “No Sul e Sudeste, a movimentação está mais considerável já agora em 2019. Para surtir efeitos aqui [Pernambuco] leva cerca de um a dois anos. Mas a esperança é que já em 2020 a construção retome e saia desse marasmo no Estado”, ressalta.

Cruz lembra que no período de crise, o mercado estava represado, sem lançamentos e com muita gente insegura para adquirir imóveis. Para ele, caso haja melhora nos índices da construção, quem comprar imóveis vai sorrir à toa. “O mercado está se recuperando e a tendência é que daqui um tempo, os preços retornem para a média, na medida em que imóveis atuais estão abaixo do valor de mercado”, analisa dizendo que agora é um bom momento para investir.

Sob o ponto de vista das construtoras, para o gestor comercial da MRV, Alexandre Resende, a retomada de lançamentos pelas construtoras indica um momento de recuperação à Construção Civil. “O mercado imobiliário já está aquecendo muito desde a reta final deste ano. Para o próximo ano, há uma expectativa ainda melhor. Com taxas de juros mais baixas, os clientes compram e as construtoras voltam a ter interesse em adquirir terrenos e lançar empreendimentos”, explica.

“A preocupação das construtoras de baixar os níveis de estoque para somente assim voltarem a lançar, encoraja todo o setor da Construção a atuar uma forma mais racional, pensando no que o cliente quer, para que lá na frente não volte a ter um estoque tão grande”, detalha a diretora comercial da Rio Ave, Carolina Tigre. Ela ainda ressalta que com a melhora da economia, isso se torna mais interessante e fornece melhores condições para produção das construtoras. “Com a facilidade de crédito para financiamento, encoraja compradores e construtoras”, afirma. Em setembro deste ano, na RMR, foram vendidos 353 imóveis, o que representa uma alta de 8% em relação ao mês anterior. Desse montante, 214 unidades vendidas (60,62%) foram com o recurso de financiamento do Minha Casa, Minha Vida. No acumulado dos nove meses deste ano, foram vendidas 2.822 unidades.

- Lançamentos:

A reportagem fez um levantamento com algumas das principais construtoras do Estado. Para o ano de 2020, quase 15 empreendimentos residenciais devem ser lançados. Para Vilaça, as construtoras que lançaram em 2019, tiveram resultados significativos. “Quando há novos lançamentos, isso causa um agito no mercado da construção que sente falta de novos empreendimentos e quem trabalha no setor sente os reflexos. [...] Quem lançou em 2019 teve bons resultados. Próximo ano deve ser ainda melhor”, detalha.

O diretor da Secovi-PE, Elísio Cruz Jr. aponta que, em contrapartida, durante todo o ano de 2017 apenas três empreendimentos foram lançados naquele ano. “Há muito tempo que algumas construtoras não lançavam um empreendimento, pois os estoques ainda não eram vendidos e acontecia muitos distratos, o que ocasionava na falência das construtoras”, destaca ainda dizendo que projeta um crescimento gradual para 2020 mês a mês. “A economia está direcionada para sair desse marasmo”, acrescenta.

- Construção afeta cadeia produtiva:

A Construção Civil é um setor importante para a economia brasileira. Segundo o presidente do Sinduscon-PE, José Antônio Simon, a representação do setor de Construção no PIB industrial de Pernambuco chega a 21,3%. Para ele, o setor é o que mais gera empregos. “A Construção Civil gera emprego de forma mais barata. Não é necessário grandes instalações para criar emprego nesse setor, na medida em que um canteiro de obra pode gerar cerca de 100 vagas”, explica dizendo que o investimento é pequeno.

Com o lançamento de empreendimentos, há um reflexo em toda uma cadeia produtiva. No entanto, para Simon, são os apartamentos de maior valor que interferem de forma mais contundente na economia. “São criados menos empregos nesse tipo de imóvel, no entanto o valor agregado em um imóvel maior, gira a economia de forma mais efetiva” destaca Simón.

Com a entrega de um imóvel, surge então toda uma cadeia pós-venda que é beneficiada com lançamentos. “Quando um cliente adquire um imóvel, ele compra muitos produtos e serviços, como os móveis planejados, utensílios domésticos, além de serviços como instalação de prateleiras, decoração, entre outras coisas”, explica Gildo Vilaça.

Quem está passando por esse processo é o professor Johny Cavalcanti, que está nos últimos preparativos para finalizar o seu apartamento. Ele adquiriu o imóvel na planta e pouco mais de um ano depois, recebeu a chave.“É um passo muito grande, mas só daria quando me sentisse seguro financeiramente. Passei mais de um ano economizando para comprar os móveis e decorar meu apartamento”, detalha. Para Cavalcanti, o mercado da construção vem melhorando e dando passos mais largos. “Na mesma rua que moro, outros dois prédios estão sendo lançados. Um deles já vendeu tudo”, conta.

Por isso, quando a construção civil melhora, setores como o comércio são beneficiados. É o caso da Finestra, loja de decoração que fica no bairro das graças. A proprietária, Ana Karla Castro, que trabalha a 17 anos no ramo, explica que desde o 2º semestre deste ano, o setor vem melhorando e impulsionando suas vendas. “Esse tipo de comércio, que é a finalização de um apartamento, sentiu muito com a baixa da construção civil. Desde julho ele deu uma reagida por conta da confiança do cliente em poder consumir”, detalha. Para 2020, ela estima um crescimento de 10% em relação a este ano. “A gente sempre observa o histórico passado e olha para a frente com indicações de crescimento de PIB, varejo, que ajudam a entender o mercado”, pondera.

Além disso, os arquitetos também são afetados com o mercado da construção. A arquiteta Iraneide Oliveira observa que após o ápice da crise econômica, as pessoas passaram a ter mais consciência na hora de mobiliar e planejar seu imóvel. “O custo de tudo é muito alto e contratar um arquiteto não é uma necessidade de 1º grau. Com a crise as pessoas passaram a planejar melhor o imóvel. Nos últimos dois anos, quem adquire um apartamento tenta aproveitar o máximo dos ambientes e economizar. O setor vem melhorando, mas planejamento é essencial, porque os clientes querem algo que caiba no bolso”, detalha