Notícias

Saiba como usar o cartão virtual do auxílio emergencial em mercados, farmácias e postos de gasolina

Já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico

@Fonte: Portal JC Online - Economia - 20/05/2020


O beneficiário do auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal pode usar o dinheiro através do cartão de débito virtual do aplicativo Caixa Tem, sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico. A medida é uma alternativa para desafogar a demanda nas agências da Caixa Econômica Federal, que desde o início da pandemia assistem a um cenário de superlotação de clientes que precisam sacar o dinheiro. Com o cartão virtual, já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos.

Além da Celpe, que passou a permitir o app como forma de pagamento da conta de luz dos pernambucanos, supermercados e gigantes do comércio digital também têm adotado a ferramenta em suas lojas. É o caso das marcas do Grupo BIG - Big, Big Bompreço, Super Bompreço, Maxxi Atacado, Sam’s Club e TodoDia.

O Grupo Carrefour Brasil também possui a solução em mais de 480 unidades, que incluem super e hiperrmercados, farmácias e postos de combustíveis. É possível conferir a lista de todas as lojas e horários de funcionamento no site da empresa.

O Grupo Pão de Açúcar, detentora das redes Extra, Pão de Açúcar e Assaí, habilitou a possibilidade de os clientes usarem o cartão virtual do auxílio em compras e pagamento de boletos. A medida contempla as lojas Assaí Atacadista, Compre Bem, Pão de Açúcar, Minuto Pão de Açúcar, Pão de Açúcar Drogaria, Extra Hipermercados, Extra Supermercados, Mercado Extra, Mini Extra e Drogarias Extra.

No comércio eletrônico, grandes marcas implementaram o recurso. É possível usar o débito digital nos sites Magazine Luiza, Extra.com.br, Lojas Americanas, Submarino e Shoptime.

- Como funciona o cartão:

Para começar a usar, o cartão virtual deve ser habilitado através do aplicativo CAIXA TEM, disponível gratuitamente na Play Store (Android) e App Store (iOS). Acesse o aplicativo com seu CPF e crie uma senha de 6 dígitos. Depois, clique em ‘Cartão de Débito Virtual’ e siga as instruções na tela.

Toda vez que for feita uma compra, o app vai mostrar um código de segurança de três dígitos diferente, que muda a cada uso. Cada cartão tem o limite de 10 transações por dia.

Aos correntistas do banco, a quem a ferramenta também está disponível, o site da ELO ensina a acessar a tecnologia pelo app da Caixa ou Internet Banking.

- Como usar para pagar fatura da Celpe:

Além da fatura recente, os clientes podem realizar o pagamento de contas de meses anteriores, caso estejam em aberto. A inciativa também beneficia clientes baixa renda cadastrados na Tarifa Social que ultrapassem 220 kwh.

O Cartão Virtual da Caixa Econômica Federal é disponibilizado de forma gratuita aos correntistas do banco; ele deve ser emitido por meio do Internet Banking ou pelo aplicativo da Caixa. Para efetuar o pagamento da fatura de energia, o cliente deve acessar o site da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e clicar em "Pagamento com Cartão".

Após isso, é necessário clicar em "Pagamento com Cartão Virtual Caixa Elo" para ser redirecionado para um cadastro com login e senha. O cliente irá encontrar um ambiente de pagamento da Celpe-Flexpag – plataforma utilizada pela Celpe para pagamentos com cartões de crédito e Cartão Virtual Caixa Elo.

Após fazer o login na plataforma, o cliente deve selecionar as faturas em aberto e informar o número do cartão virtual emitido pela Caixa e selecionar a opção "débito" para realizar o pagamento. No final do processo, um comprovante de pagamento será emitido.

Em caso de dúvidas com relação à seleção de faturas e realização de pagamento no site da Celpe, o cliente pode entrar em contato com a Companhia pelos canais digitais da empresa e teleatendimento, número 116. Já quem tiver dúvidas sobre o funcionamento do cartão virtual, pode encontrar mais detalhes no site da Caixa.

Rua de Olinda com 13 casas tem 27 pessoas doentes com arboviroses

@Fonte: Pernambuco.Com - Local - 03/01/2020


Depois de passar quase “ilesos” por epidemias anteriores de arboviroses, moradores de uma rua no bairro de São Benedito, em Olinda, estão atordoados com o mosquito Aedes Aegypti neste verão. Desde o começo do mês de dezembro, 27 pessoas da Travessa São Benedito foram acometidas por sintomas característicos de dengue, zika e chikungunya. Em plena época do ano mais propícia à proliferação do mosquito vetor dessas doenças, os moradores denunciam que o acúmulo de resíduos de obras nas margens do Rio Beberibe estariam servindo de focos.

A Travessa São Benedito é uma rua de 13 casas e 43 metros. De todos os imóveis, apenas dois que estão fechados não tiveram moradores doentes desde dezembro. Em alguns deles, todos os moradores adoeceram, caso da residência da auxiliar administrativa Lucy Siqueira, 62 anos. “A primeira pessoa adoeceu tem uns 15 dias. Minha filha ficou com a boca estourada, chegou a desmaiar. No meu caso, senti moleza e muita dor no corpo. Minha mão ainda está inchada”, contou.

Na casa do lado, três pessoas adoeceram, sendo a primeira delas no começo de dezembro. “Comecei com dores fortes no corpo, nas articulações, e febre. Passei uma semana assim, mas estou com as dores até agora. Sinto dores nas mãos e nos pés, principalmente quando acordo. Minha irmã ficou com manchas, com o rosto todo inchado. Aqui na rua é mais fácil contar quem não ficou doente do que quem ficou”, afirmou a auxiliar administrativa desempregada Cláudia Patrícia Fernandes, 43 anos.

Na casa dela, a irmã adoeceu por volta do dia 22, e o pai está doente desde o dia 22. Nesse intervalo de tempo, a mãe de Cláudia faleceu. “Como ela tinha problemas no coração, não achamos que têm correlação com as arboviroses. Mas, dias antes do falecimento, ela estava reclamando de dores”, disse Cláudia. Por causa da quantidade de casos, a família mudou a rotina. Passou a usar inseticida o tempo todo dentro do imóvel e a usar repelente constantemente na criança de cinco anos que vive com eles, uma sobrinha de Cláudia.

Com as mãos e joelhos ainda inchados, a empregada doméstica Luciene Melo, 42, lamenta ter pedido o emprego em função da doença. “Fiquei com os dedos inchados, a pele seca, muitas dores. Estou há 20 dias assim. Começou com uma febre e manchas vermelhas pelo corpo. Até agora, não consigo pegar nos objetos direito. Por causa disso, deixei de ir trabalhar e perdi meu emprego”, disse.

Segundo a professora aposentada Adaneusa Alves, 62, a comunidade nunca registrou tantos casos de arbovirose ao mesmo tempo. “Das outras vezes, uma ou outra pessoa ficava doente. Agora, a rua inteira está assim. Aqui em casa, eu e minha irmã adoecemos. Por coincidência, o agente de saúde ambiental e controle de endemias (Asaces) tinha visita agendada aqui quando começaram os casos. Ele olhou casa por casa, nos orientou, mas não encontrou focos. Depois, veio outro e disse que os focos eram na obra que fica aqui perto do Rio (Beberibe)”, disse ela. As obras fazem parte da Via Metropolitana Norte e margeiam o Beberibe.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Olinda informou que dois agentes de saúde atuam na localidade, realizando visitas educativas e de inspeção. O levantamento de Índice Rápido (LIRAa) em 2019 foi de 1,9%, acima do de 2018 (0,9%), deixando a localidade em situação de alerta. O aumento, segundo o órgão, é decorrente as intensificações das ações com mutirões nos locais e também a sazonalidade natural de surgimento dos casos de arboviroses a cada dois anos. O órgão, entretanto, não esclareceu como vem monitorando a situação específica da Travessa São Benedito.

- Verão é época propícia à proliferação de mosquito vetor:

O período de verão costuma ser uma época crítica para a proliferação de focos do Aedes aegypti, vetor da dengue, zika e chikungunya. Neste ano, Pernambuco registrou, até o dia 21 de dezembro de 2019, um aumento de casos notificados das três doenças, em comparação com o mesmo período de 2018. As notificações de dengue aumentaram 163%, enquanto as de chikungunya aumentaram 142% e as de zika, 156%. O número de mortes investigadas é de 120, 50% a mais do que no mesmo período de 2018.

O verão costuma ser uma época preocupante para os casos de arboviroses por causa das chuvas e também pelas condições de clima, mais quente e úmido, considerado ideal para a eclosão dos ovos do mosquito. Por isso, o cuidado nesta época do ano deve ser redobrado. Cerca de 80% dos focos do vetor estão nas residências. O Ministério da Saúde recomenda algumas medidas para se proteger. Entre elas, estão: tampar os tonéis e caixas d’água, manter as calhas sempre limpas, deixar garrafas sempre viradas para baixo, tampar lixeiras, deixar ralos limpos e cobertos com tela e preencher os pratos de vasos com areia.

Neste começo de mês, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) deverá divulgar o boletim epidemiológico dos casos de arboviroses de todo o ano de 2019. Até o último dia 21 de dezembro, segundo o Índice de Infestação Predial do 6º ciclo do LIRAa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti), 34 municípios estavam em situação de risco de surto, 91 em situação de alerta (49% do total de cidades do estado) e 59 em condição satisfatória. O estado ainda não divulgou o plano de enfrentamento às arboviroses de 2020. O do ano passado foi divulgado no fim de janeiro.