Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

SECOVI-PE - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela SECOVI-PE.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a SECOVI-PE não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a SECOVI-PE implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Notícias

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL ORDINARIA

@presidencia - 12/10/2021


O Presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis, e dos
Edifícios em Condomínios Residenciais e Comerciais do Estado de Pernambuco – SECOVI-PE, no uso das
atribuições que lhe confere o estatuto social, convoca os associados para assembleia geral ordinária a ser
realizada no dia 25 (vinte e cinco) de novembro de 2021, conforme edital anexado.

A Marinha está remarcado terrenos e muita gente já perdeu parte do imóvel em Pernambuco

Marinha exige adequação de imóveis e proprietários são obrigados a recuar calçadas, terraços e até mudar piscina de lugar

@Fonte: Jornal do Commercio - 27/07/2022


A Marinha está remarcando terrenos pleo País afora e proprietários de imóveis estão sendo obrigados a cumprir as exigências e até perder parte dos imóveis. Na Praia dos Carneiros, no Litoral Sul de Pernambuco, por exemplo, foram muitos os pedidos de mudança na estrutura das casas. Os imóveis estão em área de terreno de marinha, que graças a PEC 39/2011 vai mudar a legislação.

Quem circula pela praia consegue perceber imóveis com calçada recuada, com terraços reduzidos e até piscinas que precisaram mudar de lugar. A reportagem do JC entrou em contato com a Marinha para falar sobre o processo de remarcação dos imóveis, mas até a publicação da matéria não havia recebido retorno.

Terrenos de marinha e proprietários privados

Ao longo da história, os chamados terreno de marinha sempre provocaram um certo receio, por conta da sua taxação diferente dos demais imóveis. A aprovação na Câmara dos Deputados, em dois turnos, da PEC 39/11, transfere gratuitamente para estados e municípios os terrenos de marinha ocupados pelo serviço público desses governos. No caso de propietários particulares, a PEC prevê que as pessoas podem adquirir o terreno mediante pagamento.

A pergunta que os proprietários têm se feito é se vale a pena comprar a parcela do seu imóvel que pretence à União. No caso de um foreiro, a transição pode ser vantajosa, porque ele terá que pagar 17% do valor do terreno para a União.

Já quem está no regime de ocupação, terá que pagar 100% do valor do terreno. Neste caso é preciso avaliar se vale a pena, em caso de proprietário individual.


Entenda mais sobre os terrenos de marinha e o que muda

- Que terrenos são considerados de marinha?

Quando ficam no litoral, em uma faixa de cerca de 30 metros a partir da linha da maré alta ou em margens de rios e lagoas que sofrem influência de marés. Eles são de propriedade da União, e seus ocupantes pagam taxas ao governo federal

- Qual é a ideia?

Facilitar a venda das áreas aos atuais ocupantes, com desconto de 50% sobre o valor venal do imóvel

Por que? A medida é uma tentativa da área econômica de esvaziar PEC em tramitação no Congresso que prevê uma privatização forçada desses terrenos, abrindo também brecha para grilagem e insegurança jurídica

- Como funciona hoje?

Os usuários já podem adquirir os terrenos, mas o processo é lento. A demarcação é feita de forma manual, e não há padronização em torno do valor de referência para a venda do imóvel

Como ficaria? Governo usaria ferramentas eletrônicas que possibilitem a demarcação instantânea. Em vez de contratar um serviço de avaliação, seria considerado como referência o valor venal do imóvel

- Quando isso pode sair do papel?

Não há prazo. O texto ainda está em terna no governo, entre Economia, Casa Civil e Secretaria de Governo Salvar para ler depois.