Notícias

Saiba como usar o cartão virtual do auxílio emergencial em mercados, farmácias e postos de gasolina

Já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico

@Fonte: Portal JC Online - Economia - 20/05/2020


O beneficiário do auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal pode usar o dinheiro através do cartão de débito virtual do aplicativo Caixa Tem, sem precisar sacar o valor ou ter um cartão físico. A medida é uma alternativa para desafogar a demanda nas agências da Caixa Econômica Federal, que desde o início da pandemia assistem a um cenário de superlotação de clientes que precisam sacar o dinheiro. Com o cartão virtual, já é possível fazer compras em mercados, farmácias, abastecer o carro gasolina e pagar boletos.

Além da Celpe, que passou a permitir o app como forma de pagamento da conta de luz dos pernambucanos, supermercados e gigantes do comércio digital também têm adotado a ferramenta em suas lojas. É o caso das marcas do Grupo BIG - Big, Big Bompreço, Super Bompreço, Maxxi Atacado, Sam’s Club e TodoDia.

O Grupo Carrefour Brasil também possui a solução em mais de 480 unidades, que incluem super e hiperrmercados, farmácias e postos de combustíveis. É possível conferir a lista de todas as lojas e horários de funcionamento no site da empresa.

O Grupo Pão de Açúcar, detentora das redes Extra, Pão de Açúcar e Assaí, habilitou a possibilidade de os clientes usarem o cartão virtual do auxílio em compras e pagamento de boletos. A medida contempla as lojas Assaí Atacadista, Compre Bem, Pão de Açúcar, Minuto Pão de Açúcar, Pão de Açúcar Drogaria, Extra Hipermercados, Extra Supermercados, Mercado Extra, Mini Extra e Drogarias Extra.

No comércio eletrônico, grandes marcas implementaram o recurso. É possível usar o débito digital nos sites Magazine Luiza, Extra.com.br, Lojas Americanas, Submarino e Shoptime.

- Como funciona o cartão:

Para começar a usar, o cartão virtual deve ser habilitado através do aplicativo CAIXA TEM, disponível gratuitamente na Play Store (Android) e App Store (iOS). Acesse o aplicativo com seu CPF e crie uma senha de 6 dígitos. Depois, clique em ‘Cartão de Débito Virtual’ e siga as instruções na tela.

Toda vez que for feita uma compra, o app vai mostrar um código de segurança de três dígitos diferente, que muda a cada uso. Cada cartão tem o limite de 10 transações por dia.

Aos correntistas do banco, a quem a ferramenta também está disponível, o site da ELO ensina a acessar a tecnologia pelo app da Caixa ou Internet Banking.

- Como usar para pagar fatura da Celpe:

Além da fatura recente, os clientes podem realizar o pagamento de contas de meses anteriores, caso estejam em aberto. A inciativa também beneficia clientes baixa renda cadastrados na Tarifa Social que ultrapassem 220 kwh.

O Cartão Virtual da Caixa Econômica Federal é disponibilizado de forma gratuita aos correntistas do banco; ele deve ser emitido por meio do Internet Banking ou pelo aplicativo da Caixa. Para efetuar o pagamento da fatura de energia, o cliente deve acessar o site da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e clicar em "Pagamento com Cartão".

Após isso, é necessário clicar em "Pagamento com Cartão Virtual Caixa Elo" para ser redirecionado para um cadastro com login e senha. O cliente irá encontrar um ambiente de pagamento da Celpe-Flexpag – plataforma utilizada pela Celpe para pagamentos com cartões de crédito e Cartão Virtual Caixa Elo.

Após fazer o login na plataforma, o cliente deve selecionar as faturas em aberto e informar o número do cartão virtual emitido pela Caixa e selecionar a opção "débito" para realizar o pagamento. No final do processo, um comprovante de pagamento será emitido.

Em caso de dúvidas com relação à seleção de faturas e realização de pagamento no site da Celpe, o cliente pode entrar em contato com a Companhia pelos canais digitais da empresa e teleatendimento, número 116. Já quem tiver dúvidas sobre o funcionamento do cartão virtual, pode encontrar mais detalhes no site da Caixa.

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento

Nova rotina, em meio à pandemia, foi, para muitos, o ponto de virada para colocar em prática hoje planos que ainda ocupavam o tempo futuro

@Fonte: Portal FolhaPE - Economia - 11/07/2020


Com a recomendação de distanciamento social para evitar a propagação do novo coronavírus, a ordem é que as pessoas fiquem em casa. Após 120 dias, porém, o confinamento em apartamentos nas grandes cidades do país se mostra pouco agradável.

Para se adaptar à nova realidade, brasileiros com alta renda têm recorrido a imóveis maiores, em condomínios, principalmente nas regiões próximas às capitais ou mesmo no interior, segundo relatos de corretores e executivos do setor.

A intenção é passar o período em casas ou apartamentos grandes e longe do estresse das grandes cidades.

A nova rotina foi, para muitos, o ponto de virada para colocar em prática hoje planos que ainda ocupavam o tempo futuro.

Para o empresário Eduardo Alves de Lima, 38, a pandemia foi o empurrão final para que ele e a mulher realizassem o sonho de ver a filha de quatro anos crescer em uma casa, com mais liberdade e, ainda assim, ter segurança.

Lima tem um ecommerce e viu seu faturamento crescer em meio à pandemia. Com o dinheiro a mais entrando, decidiu que era hora de deixar o apartamento em que vive em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Contrato assinado, a família deve ir rumo a Alphaville, em Barueri, em alguns dias.

"Tudo o que eu faço é para proporcionar uma vida incrível para minha filha, e, para isso, temos que ir para um casa."

O presidente da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), Luiz Carlos França, diz ter verificado, por meio de pesquisa de tendências, que os compradores passaram a valorizar mais sacadas, casas, jardins e coberturas. "É uma mudança de comportamento importante."

Levantamento da consultoria Brain, que vem monitorando o mercado durante a pandemia, mostra que, em junho, 10% dos compradores disseram ter passado a buscar casa após o confinamento. Em abril, no levantamento anterior, esse fator não aparecia.

Viver fora de São Paulo era um desejo que os publicitários Luiz Villano, 38, e Florencia Lear não viam como realizar tão logo. "Em razão do trabalho, era necessário viver aqui. Tínhamos decidido então manter uma casa funcional em São Paulo e construir outra, para lazer, em Guararema", diz Villano.

A boa adaptação de ambos ao home office e a perspectiva de que o retorno ao trabalho presencial ainda leve um tempo - e que, quando acontecer, será aos poucos - fizeram a programação do casal mudar.

"Com três dias por semana de home office mais o fim de semana, não tinha mais por que ter a casa só para lazer", diz Villano. A mudança deve ocorrer em um mês, assim que as obras de acabamento da casa nova terminarem. "Vamos viver mais integrados com a natureza, vou fugir de clube. Posso continuar minha vida de executivo e ainda gozar da vida no interior, sem precisar viver cercado por muros."

Monique Donata Tonini, sócia do Casas Bacanas, imobiliária especializada em imóveis de alto e médio padrão, diz que o interesse maior por casas é nítido e teve início a partir do fim de abril. Nos meses de maio e junho, a empresa registrou um procura 70% maior por esse tipo de imóvel. "São duas coisas, procura por espaço maior e espaço aberto, principalmente casa, e, na impossibilidade de morar numa casa, uma cobertura ou ao menos uma varanda", diz Monique.

Na SF Consultoria Imobiliária, o mês de junho foi o melhor dos últimos cinco anos, relata o sócio Dario Ferraço. No primeiro semestre, a empresa cresceu 14% em comparação com ano passado, mesmo com cerca de 40 dias parados. Para Ferraço, os negócios fechados nos últimos 60 dias foram favorecidos por dois movimentos. Um ligado à insegurança quanto à rentabilidade de investimentos (favorecendo a compra de imóvel como uma aplicação), e outro, às necessidades criadas pela pandemia com o distanciamento social, como a paralisação de aulas e o fechamento de escritórios.

"Quem morava em apartamentos de 80, 100 metros quadrados entendia que morava bem, principalmente porque ficavam pouco em casa. Com o confinamento, houve a necessidade de ir para uma casa com quintal, piscina", diz.

Ferraço afirma que 80% dos clientes que fecharam compras nos últimos dois meses querem casas ou apartamentos com varanda que já estavam prontos para morar. Outra mudança no comportamento de compra observada pelo consultor é a dos fatores que levam os compradores a decidir pela aquisição. "Tradicionalmente, localização era o mais importante. Agora, varanda e área de churrasqueira vão ganhando relevância."

Em São Paulo, a busca por casas ampliou a quilometragem das mudanças. A corretora Renata Firpo, da Coelho da Fonseca (especializada em imóveis de alto padrão), afirma que o fluxo no sentido interior cresceu tanto que alguns condomínios já não têm imóveis disponíveis para aluguel.

"Começou uma busca muito grande no começo de março, e a procura se manteve numa crescente. Fazenda Boa Vista, Haras Larissa e Quinta da Baroneza são três condomínios de alto padrão que estão a uma hora ou mais de São Paulo e que já não têm casas para alugar", diz.

Thiago Alonso de Oliveira, presidente-executivo do JHSF, grupo que administra o empreendimento Fazenda Boa Vista, confirma. "Das casas que estavam para alugar, até onde eu sei, estão todas ocupadas. Se a casa está vazia, é porque o proprietário decidiu não ir pra lá na quarentena", afirma.

A Fazenda Boa Vista é um condomínio de "altíssimo padrão", afirma o presidente da JHSF. As casas custam entre R$ 6 milhões e R$ 50 milhões, e a metragem vai de 2.000 a 100 mil metros quadrados.

Esses imóveis eram tidos como espaços de veraneio e agora ganharam outra função. "Antes da pandemia eram poucos os moradores que passavam os 365 dias do ano por lá. Cada vez mais as pessoas têm interesse em transformar esse espaço em sua primeira residência", afirma.

Em comunicado ao mercado no início de julho sobre prévia de resultados, o grupo JHSF anunciou que as vendas na Fazenda Boa Vista subiram 532% na comparação do 2º trimestre de 2019 com o mesmo período deste ano. As vendas saíram de R$ 45,6 milhões e foram para R$ 288 milhões.

"Bombou a busca por locação de temporada, com contratos ajustados para períodos de seis meses, ou até o fim do ano. Agora, se alguém quiser alugar casa por esses condomínios, vai ter que esperar até o início de 2021. E estou falando de locação de R$ 50 mil mensais", diz Renata Firpo, da Coelho. "No caso da venda, os valores dos imóveis nesses locais subiram entre 20% e 30% do fim do ano passado para agora, inclusive os terrenos."

- Casal fecha bar em Pinheiros e se adapta à rotina rural:

Para Alessandra Souza, 46, e Eduardo Jarussi, 40, as rupturas trazidas pela quarentena acabaram antecipando o desejo de uma vida mais tranquila e rural. Há dois meses estão vivendo em casa no distrito de São Francisco Xavier, na região de São José dos Campos, e ainda se adaptam a uma rotina tão diferente daquela que seguiram nos últimos sete anos.

Como distanciamento social na capital, foram obrigados a fechar o Cateto, bar que havia cinco anos integrava o movimentado circuito gastronômico do bairro de Pinheiros, na zona oeste. A primeira unidade, na Mooca, fechou as portas em 2019.

"Era aquela vida doida de estar sempre fora de casa, só voltávamos para dormir, não tinha fim de semana, nada. Aqui é tudo o contrário", diz Eduardo.

Com a constatação de que não conseguiriam manter o bar somente com entregas, a mudança para o interior e a criação do clube de assinaturas Cateto Crafters de envio de produtos regionais ocorreram quase simultaneamente. "Não tínhamos reserva financeira. Como o Cateto sempre tratou diretamente com os produtores, pensamos que seria um jeito de continuar. Foi praticamente ao mesmo tempo, nós mudamos e enviamos as primeiras caixas."

Alessandra diz que agora, dois meses depois da mudança, o casal ainda se adapta à nova rotina, longe da pressão e da correria. "São quatro horas da tarde e você se pergunta: 'Por que eu estou sem fazer nada? Será que esqueci alguma coisa?'"

- Mercado de usados avança em SP, mas lançamentos param:

Enquanto o mercado de imóveis prontos no médio e alto padrão parece ter entrado em recuperação a partir de junho, os incorporadores ainda não estão confiantes quanto aos lançamentos.

No primeiro trimestre deste ano, o número de alvarás de construção concedidos pela Prefeitura de São Paulo foi 8,3% maior do que as autorizações liberadas no ano passado. O indicador calculado pela Fipe e pela Abrainc aponta uma alta de 10% no período de 12 meses e ainda não considera o período mais agudo da pandemia.

Para o presidente da Abrainc, o número mostra a intenção das empresas em investir. Ele estima que o trimestre encerrado em junho mostre lançamentos somente no segmento econômico. Indicador da Fipe a partir de dados dos incorporadores no mês de abril registrou avanço de 47% nos lançamentos do Minha Casa, Minha Vida. Entre os imóveis de médio e alto padrão, nenhum lançamento foi registrado pelas 20 maiores incorporadoras do país.

Na capital, segundo o Secovi-SP (Sindicato da Habitação), foram lançados 1.570 empreendimentos residenciais em maio, uma queda de 44% ante o mesmo período do ano passado.