Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

SECOVI-PE - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela SECOVI-PE.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a SECOVI-PE não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a SECOVI-PE implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar

Notícias

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL ORDINARIA

@presidencia - 12/10/2021


O Presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis, e dos
Edifícios em Condomínios Residenciais e Comerciais do Estado de Pernambuco – SECOVI-PE, no uso das
atribuições que lhe confere o estatuto social, convoca os associados para assembleia geral ordinária a ser
realizada no dia 25 (vinte e cinco) de novembro de 2021, conforme edital anexado.

Ganho da poupança sobe com alta da taxa de juros

O rendimento da poupança terá novo cálculo em dezembro, quando o Comitê de Política Monetária pretende aumentar a Selic dos atuais 7,75% para 9,25% ao ano

@Fonte: Diário de Pernambuco - Economia - 01/11/2021


Com a sinalização do Banco Central (BC) de que vai elevar a taxa básica de juros, a Selic, para 9,25% em dezembro, a remuneração das cadernetas de poupança deve mudar. A chamada poupança nova passará a ter o mesmo rendimento da poupança velha. Entretanto, continuará perdendo para a inflação. A projeção consta no relatório do Comitê de Política Monetária (Copom) da última quarta-feira, quando a Selic subiu de 6,25% para 7,75%.

A caderneta de poupança passou a ter dois tipos de remuneração desde 4 de maio de 2012. As aplicações feitas até 3 de maio daquele ano, ou seja, na poupança velha, continuaram rendendo 0,5% ao mês mais TR (Taxa Referencial, que atualmente está zerada), ou seja, 6,17% ao ano. Mas para a poupança nova, ou seja, aplicações feitas a partir de 4 de maio de 2012, a regra mudou. Diz esta regra que toda vez que a Selic ficar abaixo de 8,5% ao ano, o rendimento será de 70% da Selic mais TR. Desde a última sexta-feira, o rendimento da poupança nova passou de 4,37% para 5,43% ao ano, segundo os cálculos de Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac).

“A poupança continua sendo a melhor alternativa para investimentos de baixo valor do que os fundos, porque não paga Imposto de Renda e não tem taxa de administração. A partir de dezembro, a caderneta terá um rendimento maior, porque a regra antiga vai voltar a valer para os dois tipos de poupança. Mas é preciso ficar atento, pois o rendimento ainda vai perder para a inflação, que está acima de 10%”, explicou Oliveira, ao fazer comparações com outros fundos de renda fixa.

Segundo ele, mesmo com a remuneração atual da poupança nova de 5,43%, a caderneta continua sendo mais atrativa do que os fundos com taxas de administração superiores a 1% ao ano, se o dinheiro ficar aplicado por prazos muito curtos, porque são livres do IR. “Mas ainda temos uma perda real para a inflação”, reforçou.

Não à toa, os saques na poupança estão aumentando em um cenário de desemprego elevado, preços de tudo nas alturas e famílias cada vez mais endividadas. Conforme dados do Banco Central, em setembro, os saques superaram os depósitos e houve uma saída líquida de R$ 7,7 bilhões. O saldo total das aplicações somou R$ 1,031 trilhão.