Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

SECOVI-PE - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela SECOVI-PE.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a SECOVI-PE não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a SECOVI-PE implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar
banner congresso

Notícias

Contendo temas importantes e necessários, cartilha “Corretoras Arretadas em Ação” é entregue no Secovi-PE.

@Secovi-PE - 14/06/2024


Na quinta-feira, 13, a 2º vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Pernambuco – Creci-PE, Maria Zélia Pereira da Silva, entregou exemplares da cartilha “Corretoras Arretadas em Ação”, na sede do Secovi-PE. O material, lançado nacionalmente, também em versão digital, traz um conteúdo rico, tratando desde aspectos técnicos da profissão até tópicos relacionados ao combate à violência de gênero.

Idealizada e desenvolvida através da Comissão das Corretoras Arretadas, a cartilha imprime em suas páginas uma postura inovadora e o testemunho do compromisso do Creci-PE com a igualdade, respeito e inclusão da mulher no mercado imobiliário. “Com o apoio constante do presidente Francisco Monteiro, a cartilha oferece suporte e estratégias para lidar com situações de assédio, promovendo um ambiente de trabalho mais seguro e inclusivo. Além disso, aborda temas essenciais como o enfrentamento do machismo e celebra as conquistas das mulheres no cenário imobiliário”, explica ela.

Em sua confecção, a fim de dialogar de forma mais assertiva com o seu público-alvo, foram usados elementos da cultura nordestina. “Cada página e tema foram elaborados para inspirar as corretoras a se destacarem em suas trajetórias profissionais. A cartilha é enriquecida pela participação de profissionais renomadas que compartilharam suas perspectivas, tornando este material uma fonte rica e inspiradora”, completa Zélia Pereira. De acordo com ela, a cartilha já está sendo apontada como um benchmarking de grande relevância para os conselhos de outros estados.
A versão digital da cartilha “Corretoras Arretadas em Ação” pode ser encontrada através do link abaixo:

Link: http://creci-pe.gov.br/cartilha-corretora-arretada.

Ponte de R$100 milhões

@Fonte: Jornal do Commercio - Cidades - 01/09/2022


A nova ponte do Recife, que ligará o bairro de Areias, na Zona Oeste, ao da Imbiribeira, na Zona Sul, tem orçamento estimado em R$ 100,5 milhões aos cofres públicos, de acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura. A informação exclusiva foi obtida pelo JC por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). A gestão municipal confirmou também que, de fato, vai realizar a obra para construção do equipamento. A ponte é prometida há pelo menos 40 anos na capital pernambucana. Ele irá da Avenida Tapajós, em Areias, até a Avenida Engenheiro Alves de Souza, na Imbiribeira, totalizando 335 metros. Junto à construção, estão previstas obras viárias em 2,3 quilômetros das vias.

Para a execução, o poder municipal estima que 76 imóveis devam ser desapropriados, com valor estimado de R$ 6,4 milhões em indenizações - que ainda serão discutidos com os moradores. Questionada, a prefeitura não respondeu quantos têm a posse das terras - com isso, os moradores recebem, além da construção, também pelo valor do terreno. Ainda, afirmou que “não existe previsão de construção de habitacional para as famílias expropriadas”. O processo de licitação tem previsão para ser iniciado ainda neste mês de setembro, com a posterior contratação da firma vencedora de tal certame. Só a partir da conclusão desse processo, a data de início das obras po derá ser confirmada - informou a gestão.

O projeto conta com quatro faixas de rolamento (duas em cada sentido), ciclofaixa bidirecional de 2,3km em toda a via, 15 novas paradas de ônibus e requalificação das calçadas para garantia da acessibilidade, como piso tátil direcional e de alerta, além de faixas de pedestres e travessias em nível. Pretende-se embutir a rede de telecomunicações, remanejar drenagem, o abastecimento de água e a coleta de esgoto para a faixa de rolamento, requalificar a rede de iluminação pública e o pavimento e replantar 261 árvores, totalizando arborização com mais de 350 árvores. A gestão também pretende fazer obras complementares de urbanismo, paisagismo e acessibilidade, além de um espaço de convivência na Avenida Tapajós.

ANÚNCIO O prefeito João Campos (PSB) afirmou em 7 de julho que anunciaria ainda no segundo semestre “talvez a maior ponte que o Recife vai ter”. “No segundo semestre a gente vai estar anunciando outra grande ponte na cidade, talvez a maior ponte que o Recife vai ter. É mais um sonho realizado no Recife, que há mais de 15 anos não fazia uma grande ponte”, pontuou o gestor municipal. Atualmente, está em execução a Ponte Engenheiro Jaime Gusmão, que ligará o Monteiro à Iputinga. As obras foram retomadas pela gestão atual em setembro de 2021 após sete anos paralisadas, mas enfrentam resistência de moradores. Isso porque o projeto prevê a desapropriação de 53 casas da Vila Esperança-Bodocó, uma Zona Especial de Interesse Social (Zeis) da cidade.